30 outubro 2014

Pesquisadores da Universidade de Reading, um dos maiores centros de pesquisa do Reino Unido, descobriram que um dos compostos encontrados na maconha pode ajudar na redução e controle das convulsões em pacientes com epilepsia.

Liderado pelo Dr. Ben Whalley, o estudo inédito demonstrou pela primeira vez que o cannabidivarin (CBDV) – canabinóide pouco estudado até hoje – tem  o potencial de evitar as crises convulsivas, com a vantagem de surtir menos efeitos colaterais do que as drogas anti-epiléticas atualmente utilizadas, que muitas vezes causam tremedeira e agitação incontroláveis.

Na pesquisa, realizada em colaboração com os laboratórios GW Pharma – fabricante do Sativex - e Farmacêuticos Otsuka, o cannabidivarin comprovou sua eficácia no controle das convulsões após ser testado em seis diferentes modelos experimentais comumente utilizados em estudos sobre epilepsia. A substância também mostrou-se eficaz ao ser utilizada em conjunto com outros fármacos anti-epiléticos e, ao contrário de outros canabinóides – como o THC – não possui efeitos psicoativos.

“Há uma necessidade urgente de melhores tratamentos para a epilepsia. Trata-se de doença crônica, sem cura e, em cerca de um terço dos casos, os tratamentos atualmente disponíveis não funcionam, além de causarem graves efeitos colaterais, aumentando o risco de morte”, relata Whalley.

Causada por excesso de atividade elétrica no cérebro, a epilepsia afeta aproximadamente 1% da população mundial, causando convulsões que, em alguns casos, podem ser fatais. Após a descoberta, os cientistas estão investigando os mecanismos que levam o CBDV a reduzir ataques através de testes que imitam a condição clínica. A expectativa é divulgar os resultados até o final de 2012. ”Há um estigma associado com o uso recreativo da maconha, proveniente dos anos 1960 e 1970, que às vezes faz com que muitas pessoas se recusem a enxergar as propriedades medicinais da maconha”, afirma Whalley.

A pesquisa foi publicada no início de setembro na revista científica British Journal of Pharmacology.

*Fontes: University of Reading, Blog da MaryJuana

 

maryjuana

9 comentários

  • Responder
    16 de maio de 2013

    Olá, meu nome é Camila tenho 16 anos e no dia 25/12/2010 eu tive uma convulsão repentina, do nada desmaiei e cai, virei os olhos vomitei me tremia… assim disseram meus pais né. Fui ao médico várias vezes e fiz muitos exames que por sinal eram caros, os médicos não conseguiram constatar o que havia acontecido comigo pra mim ter tido aquelas convulsões que foram 5 ou 6, e a única opção que restava pra eles é que fosse “epilepsia”. Também me falaram que poderia ter sido pela passagem de idade q foi um pouquinho depois de eu menstruar pela primeira vez. Já fazem 2 anos e 5 meses que isso ocorreu e ainda estou tomando remédios, sempre que fico nervosa parece que vou desmaiar fico meia tonta, sei lá é estranho, não sei se é normal ou se é por conta desse problema. Eu não me lembro muito bem, mais acho que o meu médico falou que eu não poderia usar drogas por conta disso se não seria pior, mais eu tenho um amigo que tem o mesmo problema e ele é usuário de maconha e quando ele foi ao médico perguntou se poderia continuar usando pois não queria que acontecesse nada com ele né e a médica dele disse que a maconha não faria mal. Vi essa reportagem aqui a cima e achei interessante será que não faz mal mesmo? Esse meu problema tem cura?pois não tive mais nada tonturas, desmaios, convulsões, nada mesmo.Espero que me respondam obrigada! Itajaí,16/05/13.

    • Responder
      Tons
      1 de outubro de 2013

      epilepsia nao tem cura em alguns casos o tratamento com remedios antipilepticos resolvem o problema mas por outro lado embora as crises parem ou acalmem causao um extremo desgaste no figado.
      muita gente defende que maconha tambem resolve as crises o que e preciso entender e que se tem de usar como medicamento e nao abusar porque os componentes que causam efeitos psico-activos tambem podem causar crises

      • Responder
        adriano regis de alcantara
        5 de janeiro de 2014

        tive a primeira crise em 85, 91 a segunda, 200, a terceira, 2006 a quarta, e 2012 a quinta , bebeia bebia e com um a dois anos vinha a crise o que fazer?

    • Responder
      24 de janeiro de 2014

      Muito embora você seja ainda jovem e em Itajaí, creio que não há estudos aprofundados sobre a Epilepsia, lhe sugiro que procure um hospital onde haja estudo de medicina, sobretudo Neurologia. Solicite ao seu atual medico, a descrever essa historia medica que você aqui faz e que o mesmo indique que seu acompanhamento necessita ser mais especifico. Procure fazer exames tipo: EEG – Eletroencefalograma com estímulos de Foto Estimulação; Ressonância Magnética por Imagem e em ultimo caso, isto se os médicos pedirem para complementação; a Vídeo Eletroencefalografia. Caso os médicos cheguem a uma conclusão, que em minha opinião é obvia a resposta de que foi devido sua primeira menarca, onde teve origem suas convulsões, eles estudarão a possibilidade de cirurgia ou mesmo se não for ventilado essa hipótese, lhe informo que em São Paulo há um serviço no Hospital das Clinicas onde é possível a interrupção de sua Menstruação; que aliviará suas convulsões durante o ciclo. Espero não estar influindo em seu estado delicado de mulher, onde o sonho de cada uma é se tornar MÃE!

    • Responder
      Junior
      11 de fevereiro de 2014

      Oi Camila, me diz uma coisa que não entendi, você parou de ter desmaios e tonturas depois que começou a se medicar com Cannabis ? É que eu começei a ter crises e não quero tomar os remédios convencionais, os efeitos colaterais são terriveis, eu não fumo maconha mas estaria disposto se isso me ajudasse. Jaragua do Sul – SC 11/02/2014

  • Responder
    saulo
    28 de julho de 2014

    ola pessoal meu nome e saulo tenho 16 anos e des dos meus 10 anos eu tenho crises, a minha primeira vez eu estava com meus colegas brincando no computador quando do nada minha cabeça virou para o lado direito junto com meus olhos parecia que minha cabeça iria rodar como no filme “o exorcita” assim dicerao meus amigos, dez de entao ja tive varias convulçoes tanto na escola como na rua e em varios lugares. Minha mae ja me levou em varios medicos e ja viz varios exames,encefalogramas e tudo ate tumografia fiz e nao deu nda oq restou para os medicos foi diagnosticar que eu era epletico, eu tomo um remedio chamado Depacote tomo 1000mg por dia e mesmo assim eu continuava a ter crises começei a usar maconha com 13 anos e quando eu uso regularmente nao tenho crises ja fiquei um ano sem dar uma crise siquer mais nao tive coragem de contar para minha mae sobre a maconha e falava que era obra dos remedios mas nem os toma mas, mas quando minha mae descobril oq eu fazia me mandou embora de csa para morar com meu pai e fiquei um bom tempo sem minha mae…. Mas dez de entao ela sabe oq eu faço mas nao concorda e ainda continuo mentindo para ela, tenho uma consulta marcada para o dia 6 de agosto e vou falar para a medica sobre tdo e vou pedir autorizaçao para continuar usando e para minha mae nao me julgar mais….
    Contei minha historia nao foi para comover vcs mas sim para mostrar que a maconha pode ajudar no tratamento e para falar que estou disposto a ajudar no que for preciso nas pesquisas vlw pessoal

  • Responder
    31 de agosto de 2014

    Boa noite eu sou uma pessoa que moro na comunidade do complexo do alemão (-RJ) mas poderia ter drogas de todos os jeitos e no principal a cannabis, tenho epilepsia dos 14 anos e ate hoje Tenho 36 anos vivo tomando 12 comprimidos ao dia e se falta um deles eu tenho convunsao Eu teria coragem de operar mesmo sendo casado e um casal de filhos pós eu do 16 ao 25 parou as crises cheguei a tirar habilitação e depois observei que estava muito perigoso e não conseguindo a operação queria que liberar especialmente para pessoas precisão da cannabis medicinal.
    Espero todos nos Maconha que tem nas Comunidades por favor eu odeio se todos, os médicos que apostar que eu tenho drogas no corpo só de remédios pessoal acorda não tenho medo de dizer moro na comunidade e não sou usuário e só usaria a cannabis medicinal para tenta ter uma vida normalmente

Current month ye@r day *